Máquina do Tempo

Os Presidentes: #20 James Garfield
19/11/1831 – 19/9/1881

Em geral é lembrado apenas pelo facto de ter morrido no cargo, semanas depois de uma tentativa de assassinato e dez meses depois de tomar posse. Devia sê-lo também pela improvável eleição

 

PRESIDENTE DE 4 DE MARÇO DE 1881 A 19 DE SETEMBRO DE 1881

 

7 FACTOS ESSENCIAIS

A mãe, viúva, educou-o – e aos quatro irmãos mais velhos – em circunstâncias muito adversas no Ohio rural, mas conseguiu inscrevê-lo aos 17 anos numa escola, onde brilhou e demonstrou capacidades excepcionais de orador. Acabou por ser ele a custear os estudos, trabalhando como carpinteiro e dando aulas.

Em 1861, quando ganhou o título oficial de advogado, já era senador estadual pelo Ohio. Foi nesse ano que, perante o início da Guerra Civil, se alistou no exército, contra os Sulistas. Várias missões fizeram-no ascender nas fileiras. No fim do conflito, para ganhar algum dinheiro, foi exercer como advogado em Wall Street.

Republicano, eleito para a Câmara de Representantes em 1862, foi cumprindo mandatos sucessivos no Congresso, ganhando peso e influência, até que em 1880 foi eleito para o Senado. Era um ano de eleição presidencial e ele era um apoiante destacado de John Sherman, aliás seu director de campanha.

Na convenção republicana, um impasse entre três candidatos: Sherman, Ulysses Grant e James Blaine. Foram 35 votações inconclusivas, até que na 36ª tudo se resolveu com um candidato de compromisso: o senador-eleito James Garfield.

O triunfo sobre o democrata Winfield Hancock, um militar de carreira, foi fácil, olhados os números do Colégio Eleitoral: 214 votos contra 155. Mas a votação popular não foi bem assim: Sherman ganhou por menos de dois mil votos em 9,2 milhões de sufrágios.

A formação do seu gabinete foi tortuosa, ditada pelas manobras para contentar todas as facções do partido, mas mesmo assim a sua administração arrancou com reformas significativas nas áreas da justiça, da função pública, da educação e das forças armadas.

No dia 2 de Julho de 1881, Garfield foi atingido com dois tiros, num braço e nas costas, por Charles Guiteau, um radical perturbado que pretendia ser nomeado cônsul em Paris. Onze semanas de cuidados, com melhoras e recaídas, não impediram a sua morte, a 19 de Setembro, resultado de uma infecção múltipla.

 

7 CONHECIMENTOS INÚTEIS

Com 16 anos fugiu de casa e tentou embarcar num navio, mas foi rejeitado e acabou a tratar das mulas que puxavam uma barcaça de canal. Ao fim de seis semanas, voltou para a mãe.

No tumultuoso dia de 1865 em que Lincoln assassinado, viu-se perante uma multidão enfurecida em Nova Iorque e acalmou-os com um discurso improvisado de laivos religiosos que ainda hoje está nas páginas da História Americana.

Defensor do voto para os negros, admitia que a igualdade deles com os brancos o enchia de “uma forte sensação de repugnância”.

Charles Guiteau, o homem que lhe causou as feridas fatais, agiu premeditadamente: comprou armas, seguiu-o à espera da melhor ocasião e no dia em que Garfield ia partir de comboio de Washington para Nova Jersey escondeu-se na casa de banho das senhoras antes de irromper na gare e disparar. Eram 9 e meia da manhã.

Crê-se que a infecção que matou o Presidente foi provocada, em boa parte, pelo facto de os médicos terem mexido no ferimento de bala nas costas com as mãos sujas e instrumentos não esterilizados. Guiteau foi condenado à morte, por enforcamento, no dia 5 de Janeiro de 1882 e foi executado a 30 de Junho.

Garfield foi o primeiro Presidente canhoto e o único pregador – era ministro da Igreja Cristã (Discípulos de Cristo).

Era um apaixonado pela figura do triângulo e até descobriu uma forma de provar o Teorema de Pitágoras usando a figura de um trapézio.